O Vasco está na decisão por méritos. O Flamengo fora por culpa única e exclusiva de seus dirigentes.




O Vasco, muito bem organizado no aspecto tático, soube aproveitar as oportunidades que criadas, uma em cada tempo, e não teve, como previsto por este site, muito trabalho para vencer – por 2 a 0 – um Flamengo despedaçado, principalmente sob o aspecto físico, dada a maratona imposta ao time por sua diretoria, que não conhece nada de futebol.

Há hoje um abismo colossal entre os rivais. Do lado cruz-maltino, a preocupação básica com o que se passa no campo, e do outro, a obsessão literalmente cega pelo faturamento, que é importante, mas que tem sido posta em prática equivocadamente. O Vasco está na decisão do Estadual, e completou não só a nona partida sem derrota para o adversário, como o eliminou de competições oficiais pela terceira vez dede 2015, duas vezes no campeonato do Rio e uma na Copa do Brasil.

O Flamengo amarga fracassos consecutivos. Já havia tombado na tal Primeira Liga, que a própria cartolada inventou para passar vergonha, e cria expectativa assustadora para o restante da temporada, um provável rebaixamento, quando sugere que poderá mandar os jogos do Brasileiro na Arena Amazônia.

O Vasco não tem uma equipe espetacular. Mas os dirigentes evitam atrapalhar. Como se não bastasse o circo de horrores armado na Gávea, o Flamengo apresentou ontem pelo menos quatro jogadores bem ruinzinhos, César Martins, Jorge, Cuellar – como bate! – e Guerrero, que não viu a cor da bola. O Vasco está na decisão por méritos. O Flamengo fora por culpa única e exclusiva de seus dirigentes.

A distância entre cruz-maltinos e rubro-negros só não é ainda maior porque o clube de São Januário, vale lembrar, está na Série B do Brasileiro. No entanto, com tais cartolas, o Flamengo não vai demorar a viver tal experiência.




Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br