Foi em Sevilha, em 7 de maio daquele ano. O time do Leste da Europa fez 2 a 0 nos pênaltis, após 0 a 0 em 120 minutos, transformando o goleiro Helmuth Ducadam, que defendeu as quatro cobranças dos catalães, no grande herói.

Atlético e Real, ambos de Madri, decidem dia 28, no Estádio Giuseppe Meazza, em Milão, a Liga dos Campeões da Europa. A vitória de um ou de outro não surpreenderá ninguém. Mas o torneio, criado na temporada 1955/56, já fabricou zebras. E a maior delas aconteceu há exatamente 30 anos, quando o Steaua Bucaresti, da Romênia, superou o poderoso Barcelona, em território espanhol, e conquistou o título.

Foi em Sevilha, em 7 de maio daquele ano. O time do Leste da Europa fez 2 a 0 nos pênaltis, após 0 a 0 em 120 minutos, transformando o goleiro Helmuth Ducadam, que defendeu as quatro cobranças dos catalães, no grande herói.

O Steaua Bucaresti – Estrela Bucareste em português – foi criado em 1947, para representar as Forças Armadas, quando a Romênia estava ocupada pela União Soviética, transformada numa república socialista. Em 1965, um dos líderes do Partido Comunista, Nicolae Ceaucescu, se tornou ditador do país. Na década de 1980, entregou a seu filho adotivo Valentim, então com 36 anos, a presidência do clube. E o herdeiro, que conhecia futebol, investiu o suficiente para o Steaua superar quatro adversários e chegar à final do campeonato mais importante do continente.

Setenta mil torcedores do Barça invadiram o Estádio Ramon Sanchez Pizjuán. Mas o time romeno segurou o placar em branco. E Ducadam garantiu o troféu. Reza a lenda que Valentim, revoltado com o fato do goleiro ter sido carregado em triunfo, ao longo da volta olímpica, mandou esmagar no vestiário os dedos da mão direita do atleta, com um martelo. Quem mandou brilhar mais do que o dono do clube?

O regime tirano da Romênia permitia a barbárie. Mas ninguém confirmou o fato. Há uma outra versão, digamos, amena. Conta que Ducadam se recusou a entregar a Valentim o automóvel Mercedes Benz que ganhou, segundo a imprensa da Espanha, dos dirigentes do Real Madrid, por ter evitado o título dos rivais catalães.

Curiosamente, pouco depois, o goleiro sofreu uma trombose no lado direito do corpo, e retornou para Arad, a sua cidade natal, para se recuperar. A partir daí, as informações são as mais desencontradas. Não há um esclarecimento claro e definitivo sobre o que ocorreu, até porque os depoimentos dos próprios protagonistas são evasivos. O que se sabe é que Valentim esteve preso por dois anos, depois que o pai foi decapitado, no Natal de 1989, quando uma revolução varreu a ditadura do poder.

Absolvido de várias acusações, permaneceu na Romênia, e exerce hoje, aos 68 anos de idade, a sua profissão de físico nuclear. É do conhecimento geral também que Ducadam, que é engenheiro, chegou a ocupar a presidência do Steaua no começo da década atual, imposto pelo governo de direita de Traian Basescu, que sofreu impeachment, foi perdoado e voltou ao poder. Confusa a Romênia, não? Alguma coincidência com algum outro país de língua latina?

Bom, o fato é que o Estrela de Bucareste de Valetim e Ducadam foi efetivamente campeão da Europa em 1986. Aliás, em junho de 1989, ainda no regime dos Ceaucescu, o time voltou a decidir o título, e por uma incrível coincidência em Barcelona, contra o Milan de Rijkaard, Gullit e Van Basten. Mas tomou de 4 a0. Confira abaixo a campanha do Steaua na Copa dos Campeões de 1986.

 

Primeira fase

Steaua 1 x 1 Vejle BK-Dinamarca (Vejle – 18/9/85 – Marin Radu / Julian Barnett)

Steaua 4 x 1 Vejle BK-Dinamarca (Bucareste – 2/10/85 – Gavril Balint, Laszlo Boloni, Victor Piturca e Tudorel Stoica / Allan Simonsen)

 

Segunda fase

Steaua 0 x 1 Honved-Hungria (Budapeste – 23/10/85 – Lajos Detari)

Steaua 4 x 1 Honved-Hungria (Bucareste – 6/11/85 – Ilie Barbulescu, Marius Lacatus , Mihail Majearu e Victor Piturca / Lajos Detari)

 

Quartas de final

Steaua 0 x 0 Kuusisy-Finlândia(Lahti-Finlândia – 5/3/86)

Steaua 1 x 0 Kuusisy-Finlândia (Bucareste – 19/3/86 – Victor Piturca)

 

Semifinais

Steaua 0 x 1 Anderlecht-Bélgica (Bruxelas – 2/4/86 – Enzo Scifo)

Steaua 3 x 0 Anderlecht-Bélgica (Buscareste – 6/4/86 – Gavril Balint e Victor Piturca 2)

 

Final

STEAUA BUCARESTI 0 (2) x 0 (0) BARCELONA

Data: 7 de maio de 1986.

Local: Estádio Ramon Sanchez Pizjuán, em Sevilha / Espanha.

Árbitro: Michel Vautrot / França.

Público: 70 mil espectadores.

Nos pênatis: Mihail Majearu (defesa goleiro), José Ramon Alexanco (defesa goleiro), Laszlo Boloni (defesa goleiro), Angel Pedraza (defesa goleiro), Marius Lacatus (1 a 0), Pichi Alonso (defesa goleiro), Gavril Balint (2 a 0) e Marcos Peña (defesa goleiro).

STEAUA BUCARESTI: Helmuth Ducadam, Stefan Iovan, Miodrag Belodedici, Adrian Bumbescu e Ilie Barbulescu; Lucian Balan (Anghel Iordanescu 72’), Laszlo Boloni, Gavriel Balint e Mihail Majearu; Marius Lacatus e Victor Piturca (Marin Radu 72’). Técnico: Emmerich Jenei.

BARCELONA: Javier Urruti, Gerardo Miranda, Migueli Bernardo, José Ramon Alexanco e Julio Alberto Moreno; Victor Muñoz, Marcos Peña, Bernd Schuster (Josep Mortatalla 85’) e Angel Pedraza; Steve Archibald (Pichi Alonso – prorrogação) e Carrasco. Técnico: Terry Venables (Inglaterra).

 

A campanha

Jogos – 9
Vitórias – 4
Empates – 3
Derrotas – 2
Gols pró – 13
Gols contra – 5

Foto: Reprodução