Um autêntico jogo de ataque contra defesa. Do começo ao fim. A Espanha jogou para ganhar. E a República Tcheca, ao melhor estilo Grécia-2004, para não perder. Como se diz agora, “por uma bola”. Renunciou praticamente até aos contra-ataques.

Os atuais campeões europeus trocaram passes a partida inteira, de forma objetiva, tendo Iniesta como referência, buscando espaços na retranca adversária. A melhor oportunidade do primeiro tempo aconteceu aos 28 minutos, num chute cruzado e rasteiro de Morata, que Cech mandou de ponta de dedo para escanteio.

Os times voltaram iguais para a etapa derradeira. Na formação e no aspecto tático. Logo no início, Sérguio Ramos concluiu quase caído e a zaga evitou o gol. Nas duas raras ocasiões em que visitou a área adversária, os tchecos quase marcaram. Aos 11, Hubnik completou falta cobrada por Rosicky e De Gea defendeu. Aos 19, Krejci cruzou, Selassié escorou de cabeça e Fabregas, na pequena área, impediu que a bola chegasse a Kaderabeck, que só teria o trabalho de tocar para dentro.

Aos 17, Vicente Del Bosque começou a mexer. Sacou Morata e depois Fabregas, para as entradas respectivamente de Aduriz e Tiago Alcântara, filho de Mazinho, campeão mundial em 1994. Aos 29, o técnico Pavel Vrba trocou seu único atacante, Tomas Necid, lançando Lafata, deixando claro que o empate era um resultado excepcional.

Aos 41 minutos, Iniesta – como joga o cara! – cruzou para Piqué cabecear à esquerda de Cech: 1 a 0. Estava enfim punida a covardia da República Tcheca, que tem até um bom time, e não precisava jogar assim. O curioso é que no finzinho, já no desespero, a equipe do Leste tentou reagir e quase conseguiu. Darida acertou uma pancada na área. Mas De Gea espalmou.

Os deuses do futebol fizeram justiça.

 

ESPANHA 1 x 0 REPÚBLICA TCHECA

Data: Segunda-feira, 13 de junho de 2016.

Competição: Copa da Europa de Nações / Grupo D / 1ª fase / 1ª rodada.

Local: Stade de Toulouse, em Toulouse / França.

Arbitragem: Szymon Marciniak, Pawel Sokolnicki e Tomasz Listkiewicz / Polônia.

Gol: Gerard Piqué 86’.

ESPANHA: David de Gea, Juanfran, Gerard Piqué, Sérgio Ramos e Jordi Alba; Cesc Fabregas (Tiago Alcântara 69’), Sérgio Busquets, Andrés Iniesta e Nolito (Pedro Rodriguez 81’); Alvaro Morata (Aritz Aduriz 62’) e David Silva. Técnico: Vicente Del Bosque.

REPÚBLICA TCHECA: Petr Cech, Pavel Kaderabek, Tomas Sivok, Roman Hubnik e David Limbersky; Vladimir Darida, Jaroslav Plasil, Gebré Selassié (Josef Sural 85’) e Tomas Rosicky (David Pavelka 88’); Ladislav Krejci e Tomas Necid (David Lafata 74’). Técnico: Pavel Vrba.