A Argentina de Lionel Messi e o Chile – que venceu a Colômbia por 2 a 0 – repetem a final de 2015 e decidem às 21 horas de domingo próximo, no Estádio MetLife, em East Rutherford, New Jersey, a Copa América Centenário. No ano passado, La Roja ganhou o título nos pênaltis, em casa, após 0 a 0 no tempo regulamentar. E a segurança nos Estados Unidos? É falha. Novas invasões de campo por arruaceiros ocorreram em Chicago.

O Chile começou no ritmo da goleada de 7 a 0 sobre o México. Aos seis minutos, Cuadrado tentou cortar de cabeça, e jogou a bola nos pés de Aranguiz, que entrava livre e só teve o trabalhar de tocar para dentro, abrindo o placar. Aos 10, Alexis Sanchez entortou Arias, chutou na trave direita, e Fuenzalida, igualmente sem marcação, empurrou: 2 a 0. A Colômbia estava mais perdida que sereia em pista de gafieira. Aos 14, o craque do Arsenal mandou nova pancada, a bola bateu em Ospina, de novo no pau, e foi para escanteio.

A equipe dirigida por José Pekerman só deu o primeiro sinal de vida aos 22, quando Martinez obrigou Bravo a praticar grande intervenção. Aos 28, Hernandez deixou o campo machucado, substituído por Pulgar. O Chile caiu de produção. E a Colômbia respirou. Mas, num contra-ataque, Vargas sofreu pênalti – empurrão grosseiro de Zapata – que o árbitro ignorou.

No intervalo, a tempestade prevista para Chicago enfim desabou, provocando duas horas de paralisação. A partida só terminou às 1h15min de Brasília. A seleção comandada por Juan Pizzi retornou mais cautelosa, atraindo a equipe cafeteira, tentando decidir nos contra-ataques. Marlos Moreno substituiu Cardona. Aos dois minutos, Jara perdeu a bola para Torres. E fez pênalti no apoiador. E o juiz não viu. Aos 12, Carlos Sanchez atingiu Aranguiz. Como já havia recebido o cartão amarelo, foi expulso.

Pekerman trocou Fabra por Perez. E o Chile, que não dava chance para o adversário efetivamente reagir, lançou Puch – dois gols no México – no lugar de um esgotado Fuenzalida. Já no desespero, o treinador argentino da Colômbia mandou Bacca para o campo, e seu time passou a jogar com três atacantes. Nada mudou. Aos 42, Zapata derrubou Alexis Sanchez – mas Joel Aguilar desconhece a regra que manda assinalar penalidade quando há falta na área. Quatro inúteis minutos de acréscimos. Chi-Chi-Chi-le-le-le!

 

COLÔMBIA 0 x 2 CHILE

Data: Quarta-feira, 22 de junho de 2016.

Local: Soldier Field Stadium, em Chicago

Arbitragem: Joel Antonio Aguilar Chicas, Juan Francisco Zumba Galán e William Alexander Torres Mejía / El Salvador.

Expulsão: Carlos Sanchez 57’

Gols: Charles Aranguiz 6’ e José Fuenzalida 10’.

COLÔMBIA: David Ospina, Santiago Arias, Jérson Murillo, Cristian Zapata e Frank Fabra (Sebastian Perez 73’); Daniel Torres, Carlos Sanchez, Juan Cuadrado (Carlos Bacca 80’) e Edwin Cardona (Marlos Moreno – intervalo); James Rodriguez e Roger Martinez. Técnico: José Pekerman (Argentina).

CHILE: Claudio Bravo, Mauricio Isla, Gary Medel, Gonzalo Jara e Jean Beausejour; Francisco Silva, Charles Aranguíz, Pablo Hernandez (Erick Pulgar 28’) e José Fuenzalida (Édson Puch 75’); Alexis Sanchez e Eduardo Vargas (Mark Gonzalez 87’). Técnico: Juan Antonio Pizzi (Argentina).