Ahá! Ahú! O Maraca é nosso! É o que devem estar gritando os alemães, que dois anos depois da conquista da Copa do Mundo – 1 a 0 na Argentina na decisão – voltou a deixar o estádio campeã, após a vitória de 2 a 1 sobre a Suécia, que valeu o ouro olímpico. A equipe vencedora esteve sempre mais próxima do gol, e fez uma partida muito boa, apesar da pequena pressão que sofreu no finzinho.

A Alemanha começou melhor, pois a Suécia, a exemplo do que fez diante do Brasil, preferiu permanecer atrás, apostando em contra-ataques. Num desses, perdeu a chance de abrir o placar, aos oito minutos, com Schough chutando para fora. O time vermelho, no entanto, tinha a posse da bola, e acabou criando pelo menos duas oportunidades. Aos 20, numa cabeçada de Leupolz rente à trave direita. E aos 24, quando Mittag apanhou um rebote de Lindahl, e concluiu para fora. Nos últimos 15 minutos, porém, a Suécia equilibrou o jogo, embora só tenha ameaçado em levantamentos sobre a área, que a zaga contrária rechaçava.

Mal começou a etapa derradeira e a Alemanha fez 1 a 0, num belo chute colocado de Marozsan, à esquerda, da risca da grande área. A tarefa da equipe amarela passou a ser efetivamente árdua. Teria que sair em busca do empate, e evitar os contra-ataques do adversário, que trocava passes para cadenciar o ritmo do jogo. Aos 16, Marozsan cobrou falta – de Schelin em Darebritz – na trave direita, e Bartusiak fez contra: 2 a 0. A treinadora Pia Sunhage promoveu mudanças, mandou o time para frente, e conseguiu diminuir aos 21, quando Schough cruzou rasteiro e Blackstenius, que acabara de entrar, escorou de primeira.

A Suécia, no entanto, não conseguiu reagir, pois a Alemanha voltou a controlar a partida. Aos 41, numa bobeira, quase cede o empate, mas furou na primeira, sem marcação, e acertou a zaga, na segunda. Ficou assim: Alemanha, ouro, Suécia, prata, e Canadá, bronze. Brasil, só em Tóquio-2020.

 

ALEMANHA 2 x 1 SUÉCIA

Data: Sexta-feira, 19 de agosto de 2016.

Competição: Jogos Olímpicos Rio-16 / Feminino / Decisão.

Local: Estádio Jornalista Mário Filho / Maracanã, no Rio de Janeiro / RJ.

Público: 62.369 pagantes.

Arbitragem: Carol Anne Chevard, Marie-Josée Charbonneau e Suzanna Morisset / Canadá.

Gols: 10 – Dzsenifer Marozsan 47’, 3 – Linda Sembrandt 61’ (contra) e 11 – Stina Blackstenius 66’

ALEMANHA: 1 – Almuth Schult (Wolfsburg), 3 – Saskia Bartusiak (FFC Frankfurt), 4 – Leonie Maier (Bayern Munique), 5 – Annike Krahn (Bayer Leverkusen) e 12 – Tabea Kemme (Turbine Postdam); 7 – Melanie Behringer (Bayern Munique) depois 8 – Lena Goessling (Wolfsburg) 69’, 13 – Sara Darebritz (Bayern Munique) depois 19 – Svenja Huth (Turbine Postdam) 83’, 16 – Melanie Lenpolz (Bayern Munique) e 10 – Dzsenifer Marozsan (FFC Frankfurt); 9 – Alexandra Popp (Wolfsburg) e 11 – Anja Mittag (Paris Saint-Germain / França). Técnico: Silvia Neid.

SUÉCIA: 1 – Hedvig Lindahl (Chelsea / Inglaterra), 3 – Linda Sembrandt (Montpellier / França), 5 – Nilla Fischer (Wolfsburg / Alemanha), 15 – Jessica Samuelsson (Linköpings) e 16 – Elin Rubbensson (Koppargergs Göteborg) depois 6 – Magdalena Eruiksson (Linköpings) 70’; 7 – Lisa Dahlkvist (Linköpings), 8 – Lotta Schelin (Rosengard), 9 – Kosovare Asllani (Manchester City / Inglaterra) depois 19 – Pauline Hammarlund (Kopparbergs) 67’ e 10 – Sofia Jakobsson (Montpellier / França) depois 11 – Stina Blackstenius (Linköpings) 56’; 12 – Olin Schough (Ekilstuna United) e 17 – Caroline Seger (Lyon / França). Técnico: Pia Mariane Sundhage.

 

Foto: Rio2016.com.br