O Brasil já briga pelo menos pelo bronze no futebol masculino. Derrotou a Colômbia por 2 a 0, na Arena Corinthians, e joga uma das semifinais das Olimpíadas na próxima quarta, 17, no Maracanã, contra Honduras. Ganhando, garante o pódio. Na outra partida, no mesmo dia, a Alemanha enfrenta a Nigéria, em São Paulo. A Seleção não apresentou um futebol brilhante, mas assinalou os gols nos momentos certos, e foi um time eficiente, capaz ainda de superar a catimba do adversário.

O jogo começou com pressão do Brasil na saída de bola da Colômbia. E sob grossa pancadaria. Aos sete minutos, Rodrigo Caio atrasou para Weverton, que quase entrega o ouro, na chegada de carrinho de Preciado. Aos 10, Palacios acertou Gabriel Jesus, na falta que Neymar cobrou rasteiro, à direita, sem chance para Bonilla, abrindo o placar. Os times disputavam a bola em cada palmo do gramado, o de Carlos Restrepo trocar passes, o de Rogério Micale dando o bote em todas, impedindo o adversário de jogar.

Aos 25, Palacios acertou uma pancada de fora da área que raspou o travessão. Aos 38, Lerma atingiu Neymar. Aos 39, o craque revidou, derrubando Roa por trás. Ambos receberam cartões amarelos. O tempo fechou. O árbitro chamou os capitães e prometeu expulsões. Não cumpriu. Os colombianos passaram a se revezar nas faltas sobre Neymar. E nenhum levou o vermelho. De futebol, mesmo, houve pouco.

A Colômbia voltou para a etapa derradeira com duas mudanças, Miguel Borja e Perez respectivamente nos lugares de Preciado e Barrios, um formação mais ofensiva para buscar o empate. O jogo melhorou e ficou lá e cá. Aos nove, numa sequência, Miguel Borja – o herói do Nacional de Medellín na Libertadores – e Pabón obrigaram Weverton a praticar ótimas defesas. Pouco depois, Luan tentou driblar Bonilla, mas o goleiro segurou. Aos 21, Thiago Maia substituiu Gabriel, que andava apagado.

O Brasil forçava, esbarrando na retaguarda, e o adversário mostrava dificuldades para reagir, errando passes em excesso quando tentava ir à frente. Aos 34, Restrepo decidiu arriscar de vez, lançando mais um atacante, Arley Rodriguez, na vaga do volante Roa. A ordem era o tudo ou nada. Aos 37, Luan recebeu próximo da meia-lua e encobriu Bonilla, fechando o caixão da Colômbia. Agora é quarta, no Maracanã, contra a retranca de Honduras.

Outros jogos / sábado – Honduras 1 x 0 Coreia do Sul (Belo Horizonte), Nigéria 2 x 0 Dinamarca (Salvador) e Alemanha 4 x 0 Portugal (Brasília).

 

BRASIL 2 x 0 COLÔMBIA

Data: Sábado, 13 de agosto de 2016.

Competição: Jogos Olímpicos Rio-16 / Quartas de final.

Local: Arena Corinthians / Itaquerão, em São Paulo / SP.

Arbitragem: Cuneyt Cakin, Bahattin Duran e Tank Ongun / Turquia.

Gols: Neymar 10’ e Luan-Grêmio 82’.

BRASIL: 1 – Weverton (Atlético / PR), 2 – Zeca (Santos / SP), 4 – Marquinhos (Paris Saint-Germain / França), 3 – Rodrigo Caio (São Paulo / SP) e 6 – Douglas Santos (Atlético / MG); 12 – Wallace (Grêmio / RS), 5 – Renato Augusto (Beijing Guoan / China) e 10 – Neymar Barcelona / Espanha); 7 – Luan (Grêmio / RS); 9 – Gabriel (Santos / SP) depois 16 – Thiago Maia (Santos / SP) 66’ e 11 – Gabriel Jesus (Palmeiras / SP) depois 8 – Rafinha (Barcelona / Espanha) 88’. Técnico: Mário Rogério Micale Reis.

COLÔMBIA: 1 – Cristian Bonilla (Nacional Medellín), 2 – William Tesillo (Independiente Santa Fé), 3 – Deivy Balanta (Junior Barraquilla), 13 – Helbelton Palacios (Deportivo Cali) e 17 – Cristian Borja (Independiente Santa Fé); 12 – Andrés Felipe Roa (Deportivo Cali) depois 7 – Arley Rodriguez (Queretaro / México) 79’, 15 – Wilmar Barrios (Deportes Tolima) depois 14 – Sebastian Perez (Nacional Medellín) intervalo e 6 – Jefferson Lerma (Levante / Espanha); 8 – Dorlan Pabón (Monterrey / México); 10 – Teófilo Gutierrez (Rosario Central / Argentina) e 11 – Haroldo Preciado (Deportivo Cali) depois 9 – Miguel Borja (Nacional Medellín) intervalo. Técnico: Carlos Alberto Restrepo.

Foto: Rio2016.com