O Internacional obteve enfim a sua primeira vitória no Brasileiro, 2 a 0 sobre o Santos, após 14 jogos – a última havia ocorrido em 16 de junho, 2 a 0 no Atlético-MG – e deixou a zona de rebaixamento, ao alcançar os 27 pontos, passando Sport e Figueirense para trás. Aylon – herói da noite – também marcou o gol do triunfo, de 1 a 0 sobre o Peixe, na partida do turno. E ainda evitou o empate do Alvinegro, nos acréscimos, ao tirar o pão da boca de Copete. Victor Ferraz, Ricardo Oliveira, advertidos com cartões amarelos, e Lucas Lima, com o vermelho, estão fora do clássico com o Corinthians, domingo, na Vila Belmiro.

Aos 15 segundos, Paulão bateu cabeça com Ernando, e foi substituído por Eduardo. Mas o Inter, e até pela postura do Santos, recuado, passou a fazer a sua obrigação: atacar. O time se movimentava com rapidez, tendo Seijas como referência. Aos nove minutos, o venezuelano mandou a pancada, Vanderlei rebateu, e Nico Lopez, sem marcação, chutou por cima. O Peixe continuou atrás, correndo poucos riscos, mas quase abre o placar aos 14, quando Gustavo Henrique escorou de cabeça, à esquerda, falta cobrada por Lucas Lima.

Aos poucos, no entanto, o Alvinegro foi equilibrando, pois o Colorado, precisando de resultado, começava a se mostrar afobado. Aos 27, Géferson, na ânsia de cortar um ataque, acabou rolando para Ricardo Oliveira, que apanhou a bola sem marcação e acertou, de longe, o canto direito de Danilo Fernandes: 1 a 0. Com a vantagem, o Peixe procurou manter a posse da bola, e quem sabe, aproveitar o momento ruim do adversário – a torcida pegava no pé do time, notadamente de Géferson.

Aos 44, Seijas apanhou um rebote na meia-lua, bateu de primeira, a bola desviou em Gustavo Henrique, e traiu Vanderlei: 1 a 1. Nos acréscimos, Lucas Lima, que já retardado uma cobrança de falta, e recebido o cartão amarelo, aos 18, repetiu a cera antes de um escanteio, e foi expulso. Pouco depois, Aylon errou a conclusão, e Seijas não alcançou a bola, de frente para o goleiro. No intervalo, polêmica pelo vermelho. “Se não podemos fazer jogada ensaiada, o que será do futebol?”, alegou Renato.

O Inter voltou para a etapa final com Eduardo Henrique no lugar de Anselmo, e com pelo menos 45 minutos para explorar o fato de ter um jogador a mais. O Santos tratou de se fechar. Aos nove minutos, Valdivia cruzou e Nico Lopez cabeceou para fora. Aos 15, Nico Lopez rolou para William, que finalizou na pequena área, livre, para defesa espetacular de Vanderlei. Na cobrança do escanteio, por Seijas, Valdivia desviou de cabeça, o goleiro rebateu, os zagueiros bobearam, e Aylon, na linha da baliza, pôs de peito para dentro: 2 a 1.

Daí em diante, a 10 pontos do líder Palmeiras, quem perdeu a calma foi o Santos. Aos 24, Dorival Júnior substituiu Léo Cittadini e Vítor Bueno por respectivamente Jean Mota e Walterson, na esperança de tirar o Santos de trás. O jogo continuou tenso. O Inter já não atacava como antes. E Peixe fazia um grande esforço para chegar ao empate. Celso Roth lançou o veterano Alex na vaga de Valdivia. Já no desespero, o time paulista sacou o lateral Victor Ferraz e pôs o atacante Rodrigão. Nos acréscimos, Aylon evitou que Copete igualasse o placar. E o Colorado, enfim, venceu.

Os dois times voltam a jogar domingo. O Inter enfrenta o Atlético-PR, em Curitiba, e o Santos, como dito, recebe o Corinthians, na Vila Belmiro.

 

INTERNACIONAL 2 x 1 SANTOS

Data: Quinta-feira, 8 de setembro de 2016.

Competição: Campeonato Brasileiro / 23ª rodada.

Local: Estádio José Pinheiro Borda / Beira Rio, em Porto Alegre / RS.

Público: 29.900 pagantes / 34.075 presentes / 4.175 gratuidades.

Arbitragem: Rodrigo Batista Raposo, Daniel Henrique da Silva Andrade e José Reinaldo Nascimento Júnior / DF.

Expulsão: Lucas Lima 45+3’.

Gols: Ricardo Oliveira 27’, Seijas 44’ e Aylon 61’.

INTERNACIONAL: Danilo Fernandes, William, Paulão (Eduardo 2’), Ernando e Géferson; Anselmo (Eduardo Henrique – intervalo), Fabinho, Seijas e Valdivia (Alex 78’); Aylon e Nico Lopez. Técnico: Celso Juarez Roth.

SANTOS: Vanderlei, Victor Ferraz (Rodrigão 85’), Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Léo Cittadini (Jean Mota 69’), Renato, Lucas Lima e Vitor Bueno (Walterson 69’); Copete e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior.