O time já conquistara resultados elásticos naquele ano, abatendo sem piedade os suecos Böden (7 a 1) e Umea (9 a 0), e o norueguês Brann (12 a 1), numa excursão de um mês pela Europa. Integravam o elenco rubro-negro jogadores do quilate de Dequinha, Joel, Moacir, Indio, Evaristo, Paulinho, Dida e Zagallo, e parecia difícil que a equipe deixasse de conquistar o tetra do Rio.

Há 60 anos, na tarde de sábado, 27 de outubro de 1956, o Maracanã conheceu a maior goleada de sua história, quando o Flamengo derrotou o São Cristóvão por 12 a 2, em jogo válido pelo segundo turno do Campeonato Carioca.

O time já conquistara resultados elásticos naquele ano, abatendo sem piedade os suecos Böden (7 a 1) e Umea (9 a 0), e o norueguês Brann (12 a 1), numa excursão de um mês pela Europa. Integravam o elenco rubro-negro jogadores do quilate de Dequinha, Joel, Moacir, Indio, Evaristo, Paulinho, Dida e Zagallo, e parecia difícil que a equipe deixasse de conquistar o tetra do Rio.

Mas apesar do massacre sobre os “alvos” de Figueira de Melo, que acabou valendo ao Flamengo o prêmio de ataque mais positivo, o clube terminou em apenas quarto lugar no campeonato, atrás do campeão, o Vasco, e de Fluminense e Botafogo, com saldo de 14 vitórias, três empates e cinco derrotas. Tropeços diante de dois pequenos – perdeu de 1 a 0 para o Olaria e de 3 a 2 para o Canto do Rio – afastaram o Rubro-Negro da luta pelo título.

O Flamengo jogou com Ari, Tomires e Pavão; Milton Copolillo, Luis Roberto e Jordan; Joel, Paulinho, Indio, Evaristo e Zagallo. O São Cristóvão com Ari, Jorge e Ivan; Benedito, Osmindo e Décio; Paulinho, Nonô, Ademar, Neco e Olívar. Os gols foram marcados por Evaristo (5), Indio (4), Joel, Luis Roberto e Paulinho, descontando Neca e Nonô. A partida teve arbitragem de Mário Vianna.

O resultado obtido pelo Flamengo em 1956 só foi ameaçado em três ocasiões. Em 20 de junho de 2013, a Espanha fez 10 a 0 no Taiti pela Copa das Confederações da Fifa, com público de 71.806 espectadores. Fernando Torres (4), David Villa (3), David Silva (2) e Juan Mata marcaram os gols. Mikael Roche era o nome do goleiro do Taiti. A Fúria, dirigida por Vicente Del Bosque, jogou com Pepe Reina, César Azpilicueta, Sérgio Ramos (Jesus Navas – intervalo), Javi Martinez, Raul Albiol, Nacho Monreal, Juan Mata (Cesca Fabregas 69’), David Villa, David Silva, Santi Cazorla (Andrés Iniesta 76’) e Fernando Torres. A seleção européia, como se sabe, perdeu a final, 3 a 0 para o Brasil.

A Máquina do Fluminense fez 9 a 0 no Goytacaz, na noite do sábado, 24 de abril de 1976, pelo Estadual. Totonho marcou contra logo aos três minutos, facilitando o trabalho do Tricolor, que fechou o primeiro tempo com 4 a 0. Na segunda etapa, mais cinco gols. Completaram Doval (3), Gil (3), Dirceu e Paulo César Lima. O jogo teve público de 15.665 pagantes e o juiz foi Reginaldo Mathias. O Fluminense acabou como o campeão de 1976.

Em outro sábado, à tarde, 11 de novembro de 1978, o Flamengo também meteu 9 a 0, só que na Portuguesa. Valeu pelo Estadual. Apitou Giese do Couto. Pagaram ingressos 15.521 torcedores. O ponta Cléber fez 1 a 0 aos 13 minutos. Curiosamente, o primeiro tempo igualmente terminou em 4 a 0, com mais cinco na etapa final. Completaram Marcinho (3), Cláudio Adão (2), Zico (2) e Júnior. O Flamengo ganhou o título de 1978.

Foto: Reprodução