O site Rua Paysandu, lançado no mês março de 2018, sob a responsabilidade do jornalista Roberto Assaf, tem três objetivos básicos. A saber:

  1. Emitir opinião em vídeos e em textos sobre o cotidiano do futebol do Flamengo, incluindo o desempenho de jogadores e integrantes da Comissão Técnica, e a atuação dos dirigentes, priorizando as partidas e o panorama geral dos campeonatos disputados pelo time profissional, e eventualmente, pelas divisões de base, dada a importância histórica que têm na vida rubro-negra. É fundamental destacar que está descartada aqui qualquer intenção de denegrir a imagem dos adversários, e de criar polêmica com os adeptos de outros clubes, pois tais discussões são irrelevantes e invariavelmente insuportáveis, tomando quase sempre o caminho da agressão tola e gratuita. A propósito, os que não são torcedores do Flamengo estarão devidamente dispensados, se assim o desejarem, da leitura desta página. De qualquer forma, as informações aqui contidas podem ser compartilhadas por todos.
  2. Resgatar a memória do futebol do Flamengo, divulgando informações inéditas sobre competições profissionais e amadoras, obtidas por meio de pesquisas detalhadas em publicações disponibilizadas pela Biblioteca Nacional. É importante ressaltar que os jornais e revistas têm falhas, o que torna impossível levantar dados sobre algumas partidas, e pior, campeonatos quase inteiros, notadamente das divisões de base, praticamente abandonadas pela mídia após a década de 1970. Roberto Assaf utilizará também o conteúdo de livros que lançou e obras de outros autores, além de seu próprio arquivo, organizado a partir da década de 1970. Vale dizer que as informações a respeito dos adversários também são importantes, pois são necessárias para avaliar a força ou a fragilidade de cada um.
  3. Narrar em textos as histórias folclóricas e dramáticas testemunhadas pelo autor do site como repórter, desde o começo de sua carreira, em 1980, notadamente sobre o cotidiano da cidade do Rio de Janeiro. Isso ocorreu numa época em que os recursos tecnológicos eram precários, tornando a busca pela informação menos acessível, obrigando assim o jornalista a empreender maiores esforços para esclarecer devidamente os fatos.