O site Rua Paysandu caminhou ao longo do dia por bairros da Zona Sul, ouvindo rubro-negros de todos os segmentos da sociedade sobre o momento atual do futebol do Flamengo, e as opiniões obtidas formaram uma quase unanimidade: o time precisa de um novo treinador, com experiência e conhecimento do clube, capaz de exercer liderança, para dar uma injeção de ânimo geral, nos atletas, na torcida, e nos próprios cartolas.

O comentário mais freqüente – como escrevemos aqui pela manhã – é o de que não há ninguém no mercado para assumir o cargo. E os que poderiam ocupá-lo estão empregados. Ou, numa visão geral, “velhos” e “ultrapassados”.

A galera citou, por ordem alfabética, Enderson Moreira, Fernando Diniz, Jorginho, Nelsinho Baptista e Petkovic. No entanto, o nome mais falado foi o de Vanderlei Luxemburgo, quase sempre por exclusão, e acompanhado por restrições diversas, que devem ser obrigatoriamente estabelecidas em contrato. Por exemplo: cláusula que o impeça de assediar com promessas mirabolantes a garotada da base.

Houve até quem sugerisse uma comissão de notáveis, formada por campeões do mundo, com Leandro, Júnior, Adílio e Nunes, liderada por Andrade. Muita gente preferiu não arriscar nomes, afirmando que não tem candidato ao cargo, porque “quem poderia prestar não vai sair de onde está”.

Mas é fato que a bronca é quase geral. E que diante de tal quadro, muitos curiosos já devem estar perguntando qual o nome indicado pelo site, que também revela aqui, aflito, a sua preocupação com a escassez de treinadores que possam – e queiram efetivamente – assumir a responsabilidade. Só dá para afirmar que qualquer um dos citados, até pela experiência acumulada, entenderá a causa melhor do que Barbiéri.