Até que enfim o Flamengo fez uma exibição decente do começo ao fim em 2018. Maurício Barbiéri fez o simples. Deixou os volantes no banco, não inventou situações mirabolantes, e efetuando substituições lógicas, mandou o time tomar um mínimo de cuidados defensivos, trocar passes medidos no meio, e jogar para frente, procurando explorar as deficiências do Ceará, enfiando 3 a 0, sem qualquer contestação. Cuellar e Vinícius Júnior, os dois grandes nomes da partida. No Castelão, mais de 52 mil torcedores, e a presença de Ronaldo Angelim, o grande herói de 2009.

O Flamengo já fez um primeiro tempo muito bom, criando pelo menos quatro chances, algo raríssimo no ano que corre, e mais, marcando pelo menos um gol. O Ceará entrou em campo sem saber exatamente se priorizava a defesa ou o ataque. Assim, o Rubro-Negro foi ganhando terreno, com paciência suficiente para abrir espaços na retaguarda adversária, que jogava com três zagueiros, mas que acabou permitindo ao time carioca se aproximar e desperdiçar duas oportunidades consecutivas, aos 25 e 26 minutos, com respectivamente Lucas Paquetá e Diego.

A equipe da casa mostrava receio de atacar, e quando tentava fazê-lo esbarrava na marcação, tanto que não conseguiu assustar. Diego Alves não praticou nenhuma intervenção no primeiro tempo. Aos 34, Lucas Paquetá cobrou falta e Éverson, num esforço extraordinário, mandou para escanteio. Aos 41, Cuellar desmoralizou o 3-5-2 do Ceará, com lançamento espetacular para Vinícius Júnior, que tocou antes da chegada do goleiro para abrir o placar.

Com a vantagem, veio o pavor de sempre, o de o técnico recuar para explorar os contra-ataques. O segundo tempo começou sem substituições. E num breve momento de total desatenção, que até então não havia ocorrido, o Alvinegro quase empatou. Artur invadiu a área e chutou à esquerda, torto, para fora.  Mas o Flamengo voltou ao ataque. Aos 7, numa bela troca de passes entre Rodinei e Lucas Paquetá, o lateral foi à linha de fundo e rolou para Vinícius Júnior escorar: 2 a 0.

Ato contínuo, o Ceará trocou Reina e Romário por Wescley e Rafael Carioca, sem que acontecesse qualquer mudança. O Flamengo, efetivamente, mandava no jogo. Numa última tentativa de tornar seu time mais ofensivo, Marcelo Chamusca sacou o zagueiro Tiago Alves e lançou Roberto. Inútil. Aos 27, Rodinei cobrou escanteio, Lucas Paquetá desviou de cabeça, e Diego meteu a testa para fazer 3 a 0 e cair nos braços do povo. O Ceará desistiu, o time carioca diminuiu o ritmo, e o resultado, diante das tragédias recentes, acabou ficando de excelente tamanho.

Teria sido apenas uma tarde de muita felicidade, ou as coisas vão enfim entrar nos eixos?

FLAMENGO 3 x 0 CEARÁ SPORTING / CE

Data: Domingo, 29 de abril de 2018.

Competição: Campeonato Brasileiro / 3ª rodada.

Local: Estádio Plácido Aderaldo Castelo / Castelão, em Fortaleza / CE.

Público: 51.952 pagantes / 52.952 presentes / 1.000 gratuidades.

Arbitragem: Anderson Daronco, Élio Nepomuceno de Andrade Júnior e Rafael da Silva Alves / RS.

Gols: Vinícius Júnior 41’ e 52’, Lucas Paquetá 72’.

FLAMENGO: Diego Alves, Rodinei, Réver, Juan e Renê; Cuellar (Jonas 78’), Lucas Paquetá (Jean Lucas 87’), Diego e Éverton Ribeiro; Henrique Dourado (Lincoln 82’) e Vinícius Júnior. Técnico: Maurício Barbiéri.

CEARÁ SPORTING: Éverson, Valdo, Tiago Alves (Roberto 66’) e Luiz Otávio; Arnaldo, Richardson, Juninho, Reina (Wescley 56’) e Romário (Rafael Carioca 56’); Artur Cabral e Felipe Azevedo. Técnico: Marcelo Augusto Oliveira Chamusca.