O Flamengo jogou o suficiente para vencer a Ponte Preta por 1 a 0, em Campinas, resultado excelente em se tratando de Copa do Brasil, embora o time não tivesse repetido a boa atuação da vitória de 3 a 0 sobre o Ceará, atrapalhado por vezes na defesa, e ineficiente, em outras, no meio e na frente. Não jogou exatamente mal. Mostrou espírito de luta, o que não ocorria não faz muito tempo, e soube, de qualquer maneira, segurar o placar.

O Flamengo começou mais agressivo, e teve um gol de Léo Duarte anulado aos seis minutos, pois o zagueiro empurrou um adversário. Muito cobrada pela torcida, a Ponte acelerou, mantendo o jogo equilibrado. Na prática, o time paulista, sem muita técnica, marcava em seu próprio campo, e procurava o jogo ofensivo na correria, enquanto o carioca tinha a preocupação de trocar passes, com Lucas Paquetá como principal referência, para dar o bote na hora certa. As duas defesas, porém, conseguiam evitar que fossem criadas oportunidades.

Aos 32 minutos, em uma das muitas tentativas de tabelas, Éverton Ribeiro lançou Lucas Paquetá, que rolou para Henrique Dourado, na pequena área, escorar para dentro: 1 a 0. E o gol não mudou o andamento do confronto: a Ponte, no embalo das arquibancadas, partindo para frente com velocidade, e o Flamengo ao seu estilo, priorizando a posse da bola, mas atento a um novo cochilo do adversário, que não aconteceu.

Como não ocorreram substituições no intervalo, era de se esperar que tudo continuasse como dantes, no quartel de abrantes, e assim se deu. Mas é fato que o tempo passava, e nenhum dos times ameaçava para valer, o que levou a Ponte a efetuar a primeira substituição, Berimbau na vaga de Orinho, aos 20 minutos.

E se a equipe local carecia de maior categoria, no visitante não era diferente – faltava o Diego de domingo passado, daí a troca de Geuvânio, esforçado, mas quase nulo, por Jean Lucas, aos 26. E Doriva quis dar fôlego ao time, mandando Aaron e Paulinho para o campo.

De qualquer forma, incomodava ao torcedor rubro-negro o placar apertado, nesse jogo imprevisível que é o futebol. Tanto que aos 32, Léo Duarte entregou a bola para Felipe Cardoso na área, e o atacante conseguiu desperdiçar duas chances consecutivas, chutando no travessão, e na volta, para defesa espetacular de Diego Alves.

Na sequência, Barbiéri lançou Pará no lugar de Éverton Ribeiro, sugerindo satisfação com o resultado. E a Ponte, que já parecia cansada, ressurgiu das cinzas e partir para o ataque aos trancos e barrancos, sem sucesso.

Na realidade, quem perdeu uma oportunidade real foi Vinícius Júnior, concluindo para fora, na saída de Ivan. Mas valeu, enfim, o resultado, e o fato de o Flamengo ter lutado do começo ao fim pela vitória.

FLAMENGO 1 x 0 PONTE PRETA / SP

Data: Quarta-feira, 2 de maio de 2018.

Competição: Copa do Brasil / Oitavas de Final / Ida.

Local: Estádio Moisés Lucarelli / Majestoso, em Campinas / SP.

Público: 9.060 espectadores.

Arbitragem: Jean Pyerre Gonçalves Lima, Leirson Peng Martins e Lúcio Beiersdorf Pinheiro / RS.

Gol: Henrique Dourado 32’.

FLAMENGO: Diego Alves, Rodinei, Léo Duarte, Réver e Renê; Cuellar, Lucas Paquetá, Éverton Ribeiro (Pará 80’) e Geuvânio (Jean Lucas 72’); Henrique Dourado e Vinícius Júnior (Marlos 88’). Técnico: Maurício Barbiéri.

PONTE PRETA: Ivan, Igor, Reynaldo, Renan Fonseca e Marciel; André Castro, Lucas Mineiro e Tiago Real (Paulinho 74’); Felipe Saraiva (Aaron 74’), Felipe Cardoso e Orinho (Berimbau 65’). Técnico: Dorival Guidoni Júnior – Doriva.