Um jogo de xadrez, de peças estrategicamente distribuídas pelo tabuleiro, de resultado quase sempre imprevisível, e que acabou sendo praticamente decidido numa bola parada, numa cobrança de falta – ou na sobra dela – aos 70 minutos. Sim, pois o gol de Lucas Paquetá desmontou definitivamente o esquema do Inter, e deu ao Flamengo a vitória de 2 a 0, que manteve o clube carioca na liderança do Brasileiro. Éverton Ribeiro, o melhor em campo, que também marcou, fez a sua melhor partida pelo time da Gávea.

O Flamengo começou tentando impor o ritmo, mas o Inter tratou de fazer o jogo inteligente, cercando o adversário a partir da intermediária, e de posse da bola, trocar passes, aguardando uma bobeada da defesa rubro-negra para tentar o gol. Aos 11 minutos, Diego Alves fez bela defesa, numa cabeçada de Leandro Damião.

O Rubro-Negro percebeu que precisava prestar mais atenção na estratégia colorada. Adiantou a marcação, e passou a pressionar a saída do time gaúcho. No entanto, apesar do maior volume, não encontrava espaço. Ainda tentou forçar pelas pontas, notadamente com Rodinei pela direita, e em duas dessas jogadas esteve perto de abrir o placar. Aos 21, quando o lateral apanhou sobra e bateu à esquerda, para defesa esperta de Danilo Fernandes, e aos 37, quando rolou para Henrique Dourado, que escorou com oportunismo, mas para fora.

Vale destacar que apesar da posse da bola, que chegou a 70% naquele primeiro tempo, e de parecer mais próximo do gol, o Flamengo jamais jogou inteiramente despreocupado. Tanto que aos 45, permitiu que Leandro Damião, livre, golpeasse novamente de cabeça, para outra intervenção de Diego Alves. Logo, até ali, o 0 a 0 era justo.

Não ocorreram mudanças no intervalo. O Inter voltou trocando muitos passes, tentando cadenciar o jogo, o que era natural, enquanto o Flamengo, no embalo da torcida, buscava ser mais objetivo, embora não criasse chances. Aos 13, Guerrero substituiu Henrique Dourado. E Odair Hellmann sacou Leandro Damião e lançou Lucca, para ampliar o poder dos contra-ataques, limitado a William Pottker.

Pode até parecer euforia, mas é fato que a entrada de Guerrero deixou a zaga colorada mais perturbada, daí o descontrole que levou a zaga a praticar faltas perto da área. Aos 25, Lucas Paquetá construiu o gol de abertura: chutou, Victor Cuesta pôs a mão, o meia cobrou, a bola bateu na barreira, voltou, e ele mandou a bala fora do alcance de Danilo Fernandes: 1 a 0.

O Inter trocou Gabriel Dias por Brenner, sugerindo que pretendia partir para o ataque. Aos 33, no entanto, William Pottker, pressionado por Vinícius Júnior, após falta em Lucas Paquetá, recebeu o cartão vermelho. Mas o Inter não desistiu. E como foi obrigado a buscar o empate, e com um a menos, acabou tomando o segundo gol, aos 40, em saída rápida do Rubro-Negro, que encontrou a defesa gaúcha completamente desguarnecida. Éverton Ribeiro foi levando, e preferiu a iniciativa individual, batendo forte de fora da área, para enfiar 2 a 0 e decidir a partida.

Diego Alves ainda fez duas defesas espetaculares nos últimos cinco minutos, o suficiente para mostrar que a seriedade deve ser mantida até o fim.

FLAMENGO 2 x 0 INTERNACIONAL / RS

Data: Domingo, 6 de maio de 2018.

Competição: Campeonato Brasileiro / 4ª rodada.

Local: Estádio Jornalista Mário Filho / Maracanã, no Rio de Janeiro / RJ.

Público: 55.283 pagantes / 60.182 presentes / 4.899 gratuidades.

Arbitragem: Luiz Flávio de Oliveira, Fábio Rogério Baesteiro e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa / RS.

Expulsão: William Pottker 78’ (agressão a Vinícius Júnior).

Gols: Lucas Paquetá 70’ e Éverton Ribeiro 84’.

FLAMENGO: Diego Alves, Rodinei, Léo Duarte, Réver e Renê; Cuellar, Lucas Paquetá, Éverton Ribeiro e Geuvânio (Jean Lucas 85’); Henrique Dourado (Guerrero 58’) e Vinícius Júnior. Técnico: Maurício Barbiéri.

INTERNACIONAL: Danilo Fernandes, Fabiano, Rodrigo Moledo, Victor Cuesta e Igor; Rodrigo Dourado, Gabriel Dias (Brenner 74’) e D’Alessandro; William Pottker, Patrick e Leandro Damião (Lucca 62’). Técnico: Odair Hellmann.