É até provável que muitos na Gávea tenham acreditado que enfrentariam aquele Vasco que andou tomando baile dos baianos nas partidas anteriores, esquecendo que vencer um grande rival em clássico é tarefa quase sempre difícil. Vale afirmar, de qualquer forma, que se o objetivo do Flamengo é brigar pelo título brasileiro, o empate de 1 a 1 foi péssimo, pois o treinador Maurício Barbiéri, novo na função, e diante da responsabilidade do cargo que ocupa, tem receio de arriscar. O fato de trocar Henrique Dourado, que caminhava em campo, por Lincoln, aos 88 minutos, é uma prova.

Assim faltou sobretudo maior poder de decisão aos dois times, notadamente ao Flamengo, que teoricamente tem um elenco melhor, mas que tem sempre dificuldade para prová-lo.

O começo foi equilibrado. O Flamengo procurava tocar a bola, e o Vasco, mais ousado, partia para cima, com chutes de curta e longa distância. Mas quem abriu o placar foi o rubro-negro, aos 13 minutos, com Vinícius Júnior, aproveitando rebote de Martín Silva, após pancada de Éverton Ribeiro.

Os cruz-maltinos, no entanto, não desanimaram. Aos 17, Wagner igualou, aproveitando cobrança de escanteio. E o time de São Januário subiu de produção, marcando a saída de bola, e forçando a zaga adversária, que falhava com freqüência. O Flamengo seguiu preso, pois os homens do meio não davam continuidade às jogadas, deixando o ataque isolado. Para complicar, Éverton Ribeiro sofria um flagrante rodízio de faltas. Recebia a bola e levava. E o primeiro cartão amarelo para o Vasco só veio aos 41, no sarrafo que Bruno Silva deu nele, Éverton Ribeiro.

Nos últimos 10 minutos, os times diminuíram o ritmo. Réver sofreu contusão no ombro direito, ao tentar cabeçada, e foi substituído por Rodolfo. E o empate, até ali, ficou justo para o que aconteceu.

Não ocorreram mudanças no intervalo. E o Rubro-Negro voltou mais empolgado. Porém, não criou oportunidades, e aos 10 minutos a partida já estava novamente igual, sem que nada de importante pudesse acontecer. Aos 16, Kelvin entrou no lugar de Wagner, sugerindo que o Vasco pretendia acelerar o jogo. Aos 20, Vinícius Júnior lançou Henrique Dourado, que invadiu a área e marcou, e que só depois de algum tempo percebeu que estava efetivamente impedido.

Na prática, os cruz-maltinos pareciam preocupados em tomar gol num contra-ataque, e os rubro-negros prosseguiam lentos no meio e dispersivos na frente, errando passes curtos e lançamentos longos. Daí o jogo amarrado, um duelo de xadrez sem muita graça, no qual as peças pouco se movimentam decisivamente, até porque os treinadores não tratavam de fazê-lo.

Aos 24, Evander substituiu Thiago Galhardo, que vinha bem, mas Barbiéri equilibrou em seguida, sacando Vinícius Júnior, que nunca deve sair, por sua imprevisibilidade, e lançou Marlos Moreno. Restando 15 minutos, o Vasco até recuou, certo de que o resultado estava de bom tamanho, mas o Flamengo não reagia de forma oposta.

Tentando apostar numa zebra, Zé Ricardo jogou às feras o destrambelhado Riascos, uma caricatura de jogador de futebol, e Barbiéri enfim pôs Lincoln, que ainda teve tempo de perder uma rara chance. Depois disso, pancadaria e reclamações que resultaram em quatro expulsos: Breno, Cuellar, Riascos e Rodolfo 92’. Nove a nove. O Flamengo ainda forçou. Mas nada. Fim de papo.

O Flamengo de Barbiéri precisa resolver se quer ou não brigar pelo título.

FLAMENGO 1 x 1 VASCO / RJ

Data: Sábado, 19 de maio de 2018.

Competição: Campeonato Brasileiro / 6ª rodada.

Local: Estádio Jornalista Mário Filho / Maracanã, no Rio de Janeiro / RJ.

Público: 32.536 pagantes / 35.208 presentes / 2.672 gratuidades /  cadeiras cativas.

Arbitragem: Ricardo Marques Ribeiro, Guilherme Dias Camilo e Sidmar dos Santos Meurer / MG.

Expulsões: Breno, Cuellar, Riascos e Rodolfo 92’.

Gols: Vinícius Júnior 13’ e Wagner 17’.

FLAMENGO: Diego Alves, Rodinei, Léo Duarte, Réver (Rodolfo 45’) e Renê; Cuellar, Lucas Paquetá, Éverton Ribeiro e Diego; Henrique Dourado (Lincoln 88’) e Vinícius Júnior (Marlos Moreno 78’). Técnico: Maurício Barbiéri.

VASCO: Martín Silva, Rafael Galhardo, Breno, Werley e Henrique; Desabato, Bruno Silva, Thiago Galhardo (Evander 69’) e Wagner (Kelvin 61’); Yago Pikachu e Andrés Rios (Riascos 85’). Técnico: Zé Ricardo.

JUNIORES

O Flamengo conquistou pela 30ª vez o Estadual de Juniores, na preliminar do Maracanã, ao derrotar o Vasco por 1 a 0, gol de Pepê, cobrando pênalti aos 38 minutos da etapa inicial. No jogo de ida da decisão, sábado passado em Moça Bonita, houve empate de 1 a 1. O Rubro-Negro fez um ótimo primeiro tempo, quando pôs a vantagem, e soube segurar o resultado na fase derradeira, apesar da pressão cruz-maltina no fim. Os campeonatos de juniores são disputados desde 1920. Os demais títulos estão divididos entre Fluminense (17), Botafogo (15), Vasco (13), América (6), Bangu (4), São Cristóvão (3) e Andarahy, Bonsucesso, Madureira, Olaria, Sport Club Brasil e Tigres (1). Eis abaixo a súmula da partida decisiva do Estadual de 2018.

FLAMENGO 1 x 0 VASCO

Data: Sábado, 19 de maio de 2018.

Competição: Campeonato Estadual de Juniores / Finais / Volta.

Local: Estádio Jornalista Mário Filho / Maracanã, no Rio de Janeiro / RJ.

Arbitragem: João Ênnio Sobral, Guilherme Vargas Tavares e Wallace Muller Barros Santos / RJ.

Gol: Pepê 38’ (pênalti).

FLAMENGO: Gabriel Batista, Aderlan, Thuler, Dantas e Michael (Ramon 90’); Hugo Moura (Bernardo 90’), Théo Maia, Pepê e Bill (Vitor Ricardo 74’); Yuri (Wendel 66’) e Vitor Gabriel (Matheus Alves 90’). Técnico: Maurício Ferreira de Souza.

VASCO: Alexander, Rafael França (Cayo Tenório 71’), Norões, Miranda e Luan (Linnick 81’); Caio Lopes, Lucas Santos, Rodrigo Fernandes e Dudu (Hugo Borges 57’); Moresche e Marrony (Laranjeira 71’). Técnico: Marcos Gomes Valadares.