Disse bem o Marcus Rocha, em mensagem enviada a esta página, hoje pela manhã. Voltamos a ficar nervosos durante os jogos do Flamengo, fenômeno que vez por outra não se verificava mais. E creiam: quando isso ocorre é porque passa a existir, dentro de cada rubro-negro, a esperança de que o time possa de fato evoluir nas competições, mesmo que a exibição de ontem, sob o ponto de vista estritamente técnico, não tenha sido exemplar.

O que o Flamengo fez foi compensar com muita disposição a ansiedade evidente, fruto da necessidade de vitória, que sempre atrapalha o ser humano. Domingo passado, quando anunciada a escalação, o sofrimento infelizmente deu lugar à irritação. Com a derrota consumada, voltou a sensação, nos últimos tempos costumeira, de que o time não vai brigar pelo título, mas ser novamente apenas um mero participante do Brasileiro. Daí o número reduzido de pagantes contra o Emelec.

O jogo foi terrível: a cada ataque dos equatorianos, vinha o receio do empate, quase real naquela bolinha que tocou o travessão. Mas a vaga está na mão. E agora, com a paralisação forçada pela Copa do Mundo, haverá tempo suficiente para adequar o time ao mata-mata da Libertadores.

E para continuarmos nervosos no Brasileiro, basta não lançar mais “time alternativo”, a pior das pragas atuais do futebol. Logo falaremos sobre Flamengo x Vasco.