Em dezembro de 1915, a Liga Paraense de Football enviou ofício à Liga Metropolitana de Sports Athléticos, entidade que dirigia o futebol do Rio de Janeiro, solicitando a presença de uma seleção para participar nos festejos do tricentenário de Belém. Mas a LMSA demorou a tomar uma decisão. Diante disso, a LPF resolveu chamar o Flamengo, bicampeão carioca.

O Rubro-Negro recebeu o telegrama no dia 11 daquele mês. Aceitou o convite, formou um grupo com atletas de alto nível, e embarcou no “Rio de Janeiro”, da Companhia de Navegação Lloyd Brasileiro, na manhã de 13 daquele mês, em viagem prevista para nove dias. Integravam a delegação, chefiada por Píndaro de Carvalho Rodrigues, capitão do Flamengo, os principais jogadores rubro-negros, e reforços cedidos por outros dois clubes, Harry Welfart e William Cuthbert, do Fluminense, e Guilherme Gayer e Hydarnés Vidal, do Botafogo.

Viajou também o jovem “player” Fausto Ferraz Filho, cujo pai, Fausto Ferraz, era um influente deputado federal do Partido Republicano Mineiro (PRP), líder do processo de revisão constitucional, cujo objetivo era a reforma eleitoral, levada adiante no Governo Venceslau Brás (1914-1918). O representante da imprensa era outro jogador, Paulo Buarque de Macedo, cuja missão era enviar informações ao “A Tribuna”, um jornal insignificante do Rio, que desapareceu pouco depois.

Foi a primeira viagem de uma representação carioca de futebol à Região Norte do Brasil. A chegada a Belém foi uma apoteose. Cerca de duas mil pessoas aguardavam a “embaixada” no porto. A recepção foi liderada pelo governador do Pará, Enéas Martins, e pelo prefeito da capital, Antônio Martins Pinheiro. Também estiveram presentes o presidente do Comitê das Festas do Tricentenário, Deodoro de Mendonça, deputados, vereadores, representantes da Associção de Imprensa, o presidente da LPF, Abel Chermont, e dirigentes de 11 clubes do Estado – Aliança, Brasil Sport, Guarany, Panther Club, Pará Foot-Ball, Paysandu, Remo, São Braz, São Paulo, Tuna Luso e União Sportiva – e o pessoal da Federação das Sociedades de Remo do Pará.

O cortejo, com cerca de 50 automóveis, atravessou a cidade, saudado pela população, até a Baía de Guajará, onde observou o processo de extração da borracha, principal riqueza local. Aliás, os compromissos dos cariocas em Belém foram intensos. Durante os dias, visitas às principais atrações turísticas da cidade: Arsenal de Marinha, Cinema Olympia, Museu Émile Goeldi, Palácio do Governo, Rio Amazonas e Theatro da Paz. Nas noites, mais atividades distintas, como um “tea-tango” no Pará Tênis Club, um baile de gala no badalado Sport Club do Pará, e um jantar oferecido pela LPF no Grande Hotel, na Praça da República, no qual a delegação ficou hospedada.

Os jogos foram realizados em dois estádios: o da Empresa Ferreira e Commandita, atual Leônidas de Castro, ou Curuzu. A primeira partida aconteceu em 27 de dezembro. O Flamengo goleou a seleção do Pará por 5 a 1. E o último, em 9 de janeiro, contra a mesma equipe, e acabou em 0 a 0, com apenas 20 minutos, pois uma chuva torrencial impediu a sua continuidade, dado que o gramado ficou completamente alagado. Assim, a Taça Tricentenário de Belém não teve um vencedor, e permaneceu na capital.

No dia 10, a delegação rubro-negra embarcou no “Brasil”, também do Lloyd, com destino ao Rio de Janeiro, aonde chegou sexta-feira, 21. Na realidade, é importante ressaltar que os jornais cariocas ficaram sem muitas informações, por duas razões básicas: o desinteresse de Buarque de Macedo em enviar notícias, e as restrições impostas pela deficiência do maquinário da imprensa do Pará. Mas as poucas informações que chegaram foram suficientes para que o povo soubesse do sucesso alcançado pelo Flamengo.

Logo, mais de duas mil pessoas foram receber a delegação no Cais Pharoux, na Praça Mauá. Seguiu-se uma recepção fabulosa no Palácio do Catete, com a presença de autoridades diversas, entre elas o então prefeito do Rio, Rivadávia da Cunha Correia. À noite, o presidente do clube, Raul Serpa, promoveu uma grande recepção no Hotel Balneário, em São Francisco, Niterói. Em tempos de futebol amador, o Flamengo só voltou a jogar no dia 7 de maio, goleando o Andarahy, na abertura do Campeonato Carioca.

OS JOGOS

—————

1º jogo

FLAMENGO 5 x 1 LIGA PARAENSE DE FOOTBALL

Data: Segunda-feira, 27 de dezembro de1915.

Competição: Amistoso Interestadual / Taça Pará-Rio.

Local: Campo da Empresa Ferreira & Commandita, em Belém / PA.

Arbitragem: José da Gama Malcher / Liga Paraense de Football.

Gols: Galo 4’, Welfare 13’, 16’ e 61’, Chermont 27’ e Juvenal 75’.

FLAMENGO: Baena, Píndaro e Nery; Antonico, Galo e Cuthbert; Curiol, Juvenal, Welfare, Baptista e Paulo Buarque. Técnico: Ground Committee – liderado por Emmanuel Augusto Nery.

LIGA PARAENSE DE FOOTBALL: Joãozinho, Lula e Duca; Armindo, Carlito e Bordallo; Suíço, Guimarães, Chermont, Moraesinho e Rubilar. Técnico: Armindo Motta / capitão.

(*) A Taça Pará-Rio foi oferecida pelo Jornal Folha de Norte, de Belém, de propriedade do então governador do Estado, o advogado Enéas Martins.

2º jogo

FLAMENGO 1 x 1 LIGA PARAENSE DE FOOTBALL

Data: Sábado, 1º de janeiro de 1916.

Competição: Amistoso Interestadual / Taça Tricentenário de Belém / 1º jogo.

Local: Campo da Avenida Tito Franco, em Belém / PA.

Arbitragem: Galdino de Araújo / Liga Paraense de Football.

Gols: Welfare 65’ e Chermont 77’.

FLAMENGO: Baena (Juvenal – intervalo), Píndaro e Nery; Antonico, Galo e Cuthbert; Curiol, Juvenal, Welfare, Baptista e Paulo Buarque. Técnico: Ground Committee – liderado por Emmanuel Augusto Nery.

LIGA PARAENSE DE FOOTBALL: Joãozinho, Lulu e Duca; Armindo, Infante e Bordallo; Suíço, Guimarães, Chermont, Moraesinho e Rubilar. Técnico: Armindo Motta / capitão.

(*) O goleiro Baena sofreu contusão no fim do primeiro tempo e foi substituído pelo atacante Juvenal no intervalo. O Flamengo disputou a segunda etapa com 10 jogadores.

(**) Foi a primeira partida valendo a posse da Taça Tricentenário de Belém, oferecida pelo Comitê das Festas Comemorativas dos 300 Anos da Capital do Pará.

3º jogo

FLAMENGO 4 x 0 PAYSANDU SPORT CLUB / PA

Data: Segunda-feira, 3 de janeiro de 1916.

Competição: Amistoso Interestadual / Troféu Paysandu Sport Club.

Local: Campo da Empresa Ferreira & Commandita, em Belém / PA.

Arbitragem: Abel Barros / Liga Paraense de Football.

Gols: Paulo Buarque 10’, Welfare 16’ (pênalti – Tres / mão na bola) e 22’ e Galo 37’.

FLAMENGO: Baena, Píndaro e Nery; Antonico, Galo e Cuthbert; Curiol, Juvenal, Welfare, Baptista e Paulo Buarque. Técnico: Ground Committee – liderado por Emmanuel Augusto Nery.

PAYSANDU: Joãozinho, Sylvio e Tres; Barreto, Flávio Dias e Suíço; Cícero, Guimarães, Moura Palha, Orlando Patativa e Moraesinho. Técnico: Antônio Barros Filho – Suíço / capitão.

(*) A chuva torrencial que caiu com meia hora alagou o campo e prejudicou o jogo.

(**) O atacante Moura Palha sofreu contusão aos 15 minutos e o Paysandu disputou os demais 65 da partida com 10 jogadores.

(***) O Trofeú Paysandu Sport Club, oferecido pelo clube, era uma bela escultura de marfim.

4º jogo

FLAMENGO 3 x 2 CLUBE DO REMO / PA

Data: Quinta-feira, 6 de janeiro de 1916.

Competição: Amistoso Interestadual / Taça Clube do Remo.

Local: Campo da Avenida Tito Franco, em Belém / PA.

Arbitragem: José da Gama Malcher / Liga Paraense de Football.

Gols: Macedo 8’, Nery 36’ (pênalti – falta de Lulu em Juvenal), Baptista 47’, Ferraz 60’ e Silva 79’.

FLAMENGO: Hydarnés, Píndaro e Nery; Cuthbert, Curiol e Galo; Gayerl, Ferraz, Juvenal, Baptista e Paulo Buarque. Técnico: Ground Committee – liderado por Emmanuel Augusto Nery.

CLUBE DO REMO: Archimedes, Lulu e Duca; Armindo, Infante e Bordallo; Ludgard, Macedo, Dudu, Chermont e Rubilar. Técnico: Rodolpho Chermont / capitão.

(*) Hydarnés defendeu pênalti (falta de Píndaro em Chermont) cobrado por Chermont aos 27 minutos.

5º jogo

FLAMENGO 2 x 0 LIGA PARAENSE DE FOOTBALL

Data: Sábado, 8 de janeiro de 1916.

Competição: Amistoso Interestadual / Taça Bancada Paraense no Congresso Nacional.

Local: Campo da Empresa Ferreira & Commandita, em Belém / PA.

Arbitragem: Galdino de Araújo / Liga Paraense de Football.

Gols: Baptista e Antonico.

FLAMENGO: Baena, Píndaro e Nery; Antonico, Galo e Cuthbert; Curiol, Juvenal, Welfare, Baptista e Paulo Buarque. Técnico: Ground Committee – liderado por Emmanuel Augusto Nery.

LIGA PARAENSE DE FOOTBALL: Chermont, Lulu e Sylvio; Bordallo, Armindo e Flávio Dias; Suíço, Guimarães, Oliveira, Moraesinho e Rubilar. Técnico: Rodolpho Chermont / capitão.

(*) Taça Bancada Paraense no Congresso Nacional oferecida pelos deputados federais do Pará.

(**) O jogo foi disputado em dois tempos de 35 minutos, sem intervalo, porque começou com uma hora de atraso e a luz se tornou insuficiente para que chegasse normalmente ao fim.

6º jogo

FLAMENGO 0 x 0 LIGA PARAENSE DE FOOTBALL

Data: Domingo, 9 de janeiro de 1916.

Competição: Amistoso Interestadual / Taça Tricentenário de Belém / 2º jogo.

Local: Campo da Empresa Ferreira & Commandita, em Belém / PA.

Arbitragem: Galdino de Araújo / Liga Paraense de Football.

FLAMENGO: Hydarnés, Píndaro e Nery; Antonico, Galo e Cuthbert; Curiol, Juvenal, Welfare, Baptista e Paulo Buarque. Técnico: Ground Committee – liderado por Emmanuel Augusto Nery.

LIGA PARAENSE DE FOOTBALL: Joãozinho, Lulu e Duca; Bordallo, Armindo e Infante; Suíço, Guimarães, Chermont, Moraesinho e Rubilar. Técnico: Armindo Motta / capitão.

(*) A Taça Tricentenário de Belém permaneceu na capital do Pará porque o jogo foi interrompido por uma chuva torrencial, aos 20 minutos, e não foi possível concluí-lo.

A CAMPANHA

———————-

– Jogos: 6

– Vitórias: 4

– Empates: 2

– Gols pró: 15

– Média de gols a favor: 2,5

– Gols contra: 4

– Média de gols contra: 0,66

– Saldo de gols: 11

ARTILHEIROS

———————-

– 6 gols: Welfare

– 2 gols: Baptista e Galo

– 1 gol: Antonico, Ferraz, Juvenal, Nery e Paulo Buarque

A DELEGAÇÃO

————————

# Chefe: Píndaro de Carvalho Rodrigues

Jogador e conselheiro do Flamengo

# Secretário de viagem: Othon Figueiredo Baena

Jogador e conselheiro do clube

# Diretor técnico: Emmanuel Augusto Nery

Jogador e conselheiro do clube

# Jornalista oficial

– Paulo Buarque de Macedo / A Tribuna

# Jogadores

– Antonico (Antônio Carneiro de Campos – Cachoeira Paulista / SP, 1892 – zagueiro)

– Baena (Othon Figueiredo Baena – Rio de Janeiro / RJ, 24/2/1894 – goleiro)

– Baptista (João Baptista Guimarães – Rio de Janeiro / RJ, 1897 – atacante)

– Curiol (Coriolano de Paula Nery – Uberaba / MG, 1895 – médio)

– Cuthbert (William Walter Cuthbert – Cambridge / Inglaterra, 1893 – médio)

– Ferraz (Fausto Ferraz Filho – São Paulo / SP, 1897 – atacante)

– Gallo (Armando de Almeida – Rio de Janeiro / RJ, 2/7/1893 – médio)

– Gayer (Guilherme Gayer – Rio de Janeiro / RJ, 1898 – atacante)

– Hydarnés (Hydarnés Cintra Vidal – goleiro)

– Juvenal (Juvenal de Campos Filho – Tatuí / SP, 1º/1/1895 – atacante)

– Nery (Emmanuel Augusto Nery – Rio de Janeiro / RJ, 25/12/1892 – zagueiro)

– Paulo Buarque (Paulo Buarque de Macedo – Rio de Janeiro / RJ, 22/9/1897)

– Píndaro (Píndaro de Carvalho Rodrigues – São Paulo / SP, 1º/6/1892 – zagueiro)

– Welfare (Harry Welfare – Liverpool / Inglaterra, 22/8/1888 – atacante)

# Presidente

– Raul Ferreira Serpa

– Empresário do ramo de importação e exportação

– Mandato: de 15 de novembro de 1915 a 15 de novembro de 1916