O Flamengo cedeu o maior número de jogadores para a Seleção Brasileira que conquistou a Copa de 1958: Joel, Moacir, Dida e Zagallo. Quatro clubes contribuíram com três atletas: Botafogo, Santos, São Paulo e Vasco. E foi desfalcado dos seus quatro titulares que o Rubro-Negro derrotou a própria Seleção, por 1 a 0, no Maracanã, em 11 de maio daquele ano, 28 dias antes da estreia no Mundial, contra a Áustria, em Uddevalla.

É importante ressaltar que não era um simples jogo-treino. O técnico Vicente Feola definiria na quarta-feira, 14, no próprio Hotel Corcovado, nas Paineiras, onde a delegação estava hospedada no Rio, a relação dos 22 que disputariam a Copa. Além disso, o público pagou ingresso, e as equipes jogaram com seus uniformes oficiais.

No primeiro tempo, que terminou 0 a 0, o Flamengo enfrentou a Seleção considerada reserva, com camisas azuis e calções brancos, e que formou com Castilho, Djalma Santos, Mauro Ramos, Orlando Peçanha e Oreco; Roberto Belangero e Pelé; Garrincha, Mazzola, Canhoteiro e Pepe.

Na etapa derradeira, veio a equipe titular, de verde e amarelo, com Gilmar, De Sordi. Bellini, Zózimo e Nilton Santos; Dino Sani e Moacir; Joel, Vavá, Dida e Zagallo. Jadir, que também pertencia ao Flamengo, foi “emprestado” ao banco rubro-negro. E Evaristo de Macedo, estrela do Flamengo até o ano anterior, já havia sido negociado com o Barcelona, e estava na Espanha. Logo aos sete minutos, Manoelzinho, que havia substituído Henrique no intervalo, chutou forte de fora da área e acertou o canto direito de Gilmar. Foi o suficiente para garantir a vitória.

Três dias depois, enquanto Feola escolhia os futuros 22 campeões mundiais, o Flamengo embarcava para uma longa excursão de quase dois meses e 15 partidas por oito países: Espanha, França, Grécia, Hungria, Inglaterra, Israel, Portugal e Turquia.

Na Copa do Mundo, Joel e Dida cederam suas vagas para Garrincha e Pelé, o óbvio. Moacir permaneceu na reserva de Didi, e Zagallo foi titular o torneio inteiro. Após seis jogos – 3 a 0 Áustria, 0 a 0 Inglaterra, 2 a 0 União Soviética, 1 a 0 Gales, 5 a 2 França e 5 a 2 Suécia – o Brasil conquistou a Jules Rimet pela primeira vez.

Os 22 campeões mundiais de 1958 foram: Castilho (Fluminense), Gilmar (Corinthians), De Sordi (São Paulo), Djalma Santos (Portuguesa), Bellini (Vasco), Mauro (Santos), Orlando (Vasco), Zózimo (Bangu), Nílton Santos (Botafogo), Oreco (Corinthians), Dino Sani (São Paulo), Zito (Santos), Didi (Botafogo), Moacir (Flamengo), Garrincha (Botafogo), Joel (Flamengo), Mazzola (Palmeiras), Vavá (Vasco), Dida (Flamengo), Pelé (Santos), Pepe (Santos) e Zagallo (Flamengo).

Onze dos 33 convocados acabaram ficando de fora da Copa: os goleiros Carlos Alberto (Vasco) e Ernâni (Bangu), os zagueiros Altair (Fluminense), Cacá (Botafogo), Formiga (Palmeiras)  Jadir (Flamengo), os apoiadores Pampolini (Botafogo) e Roberto Belangero (Corinthians), e os atacantes Almir Pernambuquinho (Vasco), Gino Orlando (São Paulo) e Canhoteiro (São Paulo).

Na foto, a Seleção que venceu a Áustria por 3 a 0, em Uddevalla, com os rubro-negros Joel, Dida e Zagallo. Abaixo, a súmula do jogo Flamengo 1 x 0 Seleção Brasileira. O Maracanã só recebeu o nome de Jornalista Mário Filho em 1966. E o Rio de Janeiro, capital do país, era Distrito Federal.

FLAMENGO 1 x 0 SELEÇÃO BRASILEIRA

Data: Domingo, 11 de maio de 1958.

Competição: Amistoso.

Local: Estádio Municipal do Maracanã, no Rio de Janeiro / Distrito Federal.

Arbitragem: Alberto Monard da Gama Malcher, Frederico Lopes e José Gomes Sobrinho / Federação Metropolitana de Futebol.

Gol: Manoelzinho 51’.

FLAMENGO: Fernando, Joubert, Milton Copolillo, Jadir (Tomires – intervalo) e Jordan; Dequinha (Carlinhos 75’) e Duca (Adalberto 75’); Babá, Henrique (Manoelzinho – intervalo), Luiz Carlos (Roberto Rodrigues 77’) e Alfredinho. Técnico: Manuel Agustín Fleitas Solich / Paraguai.

SELEÇÃO BRASILEIRA / reservas / primeiro tempo: Castilho, Djalma Santos, Mauro Ramos, Orlando Peçanha e Oreco; Roberto Belangero e Pelé; Garrincha, Mazzola, Canhoteiro e Pepe. Técnico: Vicente Italo Feola.

SELEÇÃO BRASILEIRA / titulares / segundo tempo: Gilmar, De Sordi. Bellini (Mauro Ramos 68’), Zózimo e Nilton Santos; Dino Sani (Zito 57’) e Moacir; Joel, Vavá, Dida e Zagallo. Técnico: Vicente Italo Feola.