Pelo que se vê e ouve, Marlos Moreno deverá ser o substituto de Vinícius Júnior no jogo de retorno ao Brasileiro, no próximo dia 18. O colombiano vem apresentando rendimento satisfatório nos treinos, o suficiente para que Maurício Barbiéri prometa efetivá-lo contra o São Paulo, no Maracanã.

Vale lembrar que o Manchester City pagou 10 milhões de euros pelo atacante, que foi um dos destaques do Nacional de Medellín na conquista da Libertadores, em 2016. Sem chance no clube inglês, num primeiro momento, foi emprestado ao Girona e ao Deportivo La Coruña, não cumpriu bom desempenho na Espanha, e acabou tomando o rumo do Flamengo, no qual também não brilhou.

No entanto, fazendo uma análise de seu aproveitamento com a camisa rubro-negra, é fácil perceber que será necessário ter mais paciência com o colombiano, pois como se pode ver, teve poucas chances. Desde a sua estreia, em 27 de janeiro, participou de 17 partidas, nenhuma por inteiro. Assim, quando somamos todo o período que esteve em campo, levando-se em conta o tempo regulamentar, atuou por apenas 350 minutos, ou seja, quase quatro jogos.

O site Rua Paysandu já andou tecendo críticas a Moreno. E agora nota que o fez pela expectativa que sua chegada criou, dado o futebol que mostrou na Libertadores de 2016, e principalmente o valor de sua transferência para a Europa. Logo, é hora de dar um crédito a Moreno.

Na realidade, é necessário compreender também que nem sempre um estrangeiro consegue se adaptar ao Flamengo com rapidez, pela pressão da mídia e da torcida, que exige resultados imediatos, não importam as circunstâncias. Na prática, há sempre a esperança de que um estrangeiro que chega possa repetir o desempenho de pelo menos dois grandes ídolos rubro-negros que vieram do exterior, falando aqui apenas da década de 1970 para cá: o argentino Narciso Horacio Doval e o sérvio Dejan Petkovic.

O torcedor mais veterano vai lembrar do fracasso mais retumbante de todos os tempos – quando se trata de grande expectativa – do também argentino Cláudio Daniel Borghi. Apelidado “El Matador”, 25 anos de idade, pois trazia na bagagem uma passagem pelo Milan e o título mundial conquistado em 1986 pela seleção de seu país, ao lado de Diego Maradona, participando dos jogos contra a Itália (1 a 1) e a Bulgária (2 a 0). Carregado em triunfo no aeroporto por uma pequena multidão, ao desembarcar no Rio, deixou a Gávea pela porta dos fundos, após seis partidas, atuações ridículas, e nenhum gol.

Alguém dirá que o fato de substituir Vinícius Júnior vai gerar mais responsabilidade para Marlos Moreno. Quem sabe agora, dominando o português, conhecendo melhor o Rio, o Flamengo e o futebol brasileiro, o colombiano não acerta o passo?

# Marlos Moreno no Flamengo

1) 0 x 0 Vasco – 27/1 – Estadual – substituiu Rômulo aos 63’

2) 1 x 0 Nova Iguaçu – 4/2 – Estadual – substituiu Diego aos 77’

3) 0 x 4 Fluminense – 24/2 – Estadual – Titular – substituído por Geuvânio no intervalo

4) 0 x 1 Botafogo – 28/3 – Estadual – substituiu Lucas Paquetá aos 63’

5) 3 x 1 Atlético Goianiense – 7/4 – Amistoso – substituiu Éverton aos 73’

6) 2 x 0 América Mineiro – 21/4 – Brasileiro – substituiu Geuvânio aos 81’

7) 0 x 0 Santa Fé – 25/4 – Libertadores – substituiu Vinícius Júnior aos 78’

8) 1 x 0 Ponte Preta – 2/5 – Copa do Brasil – substituiu Vinícius Júnior aos 88’

9) 0 x 0 Ponte Preta – 10/5 – Copa do Brasil – substituiu Vinícius Júnior aos 89’

10) 2 x 3 Chapecoense – 13/5 – Brasileiro – Titular – substituído por Cuellar aos 84’

11) 2 x 0 Emelec – 16/5 – Libertadores – substituiu Henrique Dourado aos 81’

12) 1 x 1 Vasco – 19/5 – Brasileiro – substituiu Vinícius Júnior aos 78’

13) 0 x 0 River Plate – 23/5 – Libertadores – substituiu Vinícius Júnior aos 86’

14) 1 x 0 Corinthians – 3/6 – Brasileiro – substituiu Vinícius Júnior aos 90’

15) 2 x 0 Fluminense – 7/6 – Brasileiro – Titular – substituído por Jean Lucas aos 62’

16) 2 x 0 Paraná Clube – 10/6 – Brasileiro – substituiu Diego aos 71’

17) 1 x 1 Palmeiras – 13/6 – Brasileiro – substituiu Felipe Vizeu aos 83’

# O desempenho

– Jogos: 17

– Minutos jogados: 350

– Vitórias: 8

– Empates: 6

– Derrotas: 3

– Gols: nenhum