Um gol de Henrique Dourado e uma defesa histórica de Diego Alves. O Flamengo jogou o suficiente para derrotar uma equipe mista do Cruzeiro, que entrou como pequeno, e deu algum trabalho no segundo tempo, sem chegar, porém, ao empate, graças a um milagre do goleiro, que mantém o time da Gávea em segundo lugar, seguindo o São Paulo, que após 10 anos sem ganhar nada, resolveu acertar exatamente no momento em que o Flamengo volta a brigar pelo título brasileiro.

O que mais impressionou no começo não foi a pressão do Flamengo, mas a postura do Cruzeiro, jogando deliberadamente atrás, o que permitiu ao Rubro-Negro ter não só a posse da bola, mas a possibilidade de rodá-la até encontrar um espaço para abrir o placar, aos 22 minutos, com Henrique Dourado, concluindo passe de Éverton Ribeiro.

No entanto, como já aconteceu dezenas de vezes, bastou a vantagem para a equipe de Maurício Barbiéri diminuir o ritmo, permitindo ao adversário se aproximar do empate, que esteve próximo em pelo menos duas ocasiões. Aos 42, Raniel tentou encobrir Diego Alves e a bola saiu. Aos 43, Henrique cabeceou, e Trauco, sobre a linha, evitou o pior. Ficou nisso.

Duas dúvidas para a etapa final. Voltaria o Cruzeiro como time grande que é, ou continuaria pequeno? E o Flamengo? Tentaria segurar o resultado, apostando em contra-ataques? Ou sairia para matar o jogo? O fato é que a partida recomeçou equilibrada, a equipe azul arriscando muito mais, e o Rubro-Negro errando a saída da bola, ou o último passe.

Aos 10 minutos, Mano Menezes percebeu as dificuldades do adversário, e lançou dois titulares, Arrascaeta e Thiago Neves. Mas o jogo permaneceu igual, lá e cá, tanto que o Cruzeiro voltou a mexer, trocando Rafinha por Robinho. Seguindo o conceito do futebol de hoje, Barbiéri fez enfim uma alteração, lançando William Arão na vaga de Diego, deixando óbvio que o objetivo, a partir dali, era dar prioridade à defesa, o que ficou evidente logo na sequência, na cabeçada de Arrascaeta, para defesa espetacular de Diego Alves no canto direito – o torcedor mineiro chegou a comemorar, e o carioca, a lamentar o gol. Mas a bola não entrou.

Bola perdida aqui e acolá, de um lado e do outro, o árbitro ainda tentou, aos 48 minutos, cavar um empate. Mas o Cruzeiro desperdiçou o presente. E o Flamengo saiu vencedor. Pelo menos no Brasileiro, a briga continua.

FLAMENGO 1 x 0 CRUZEIRO / MG

Data: Domingo, 12 de agosto de 2018.

Competição: Campeonato Brasileiro / 18ª rodada.

Local: Estádio Jornalista Mário Filho / Maracanã, no Rio de Janeiro / RJ.

Público: 50.402 pagantes / 55.276 presentes / 4.874 gratuidades.

Arbitragem: Dewson Fernando Freitas da Silva, Hélcio Araújo Novaes e Heronildo Fernando Freitas da Silva / PA.

Cartões amarelos: Henrique Dourado 8’, Lucas Paquetá 39’, Ariel Cabral 45+1’, Raniel 62’, Arrascaeta 77’ e Diego Alves 84’.

Gol: Henrique Dourado 22’.

FLAMENGO: Diego Alves, Rodinei, Réver, Léo Duarte e Trauco; Piris da Motta, Lucas Paquetá, Diego (William Arão 75’) e Éverton Ribeiro; Vitinho (Marlos Moreno 80’) e Henrique Dourado (Pará 83’). Técnico: Maurício Barbiéri.

CRUZEIRO: Rafael, Ezequiel, Leó, Manoel e Marcelo Hermes; Henrique, Ariel Cabral, Mancuello (Thiago Neves 55’) e Rafinha (Robinho 71’); David (Arrascaeta 55’) e Raniel. Técnico: Mano Menezes.