Um resultado absolutamente previsível, o da vitória do Corinthians sobre o Flamengo, 2 a 1 em São Paulo, levando-se em conta a irregularidade, e muito mais grave, a instabilidade emocional que o time carioca passou a mostrar após a Copa do Mundo. É impraticável acreditar em uma equipe de futebol, que afirma brigar por algum título, e que toma três gols nos 20 primeiros minutos de uma partida oficial, como ocorreu diante do Atlético Paranaense, em Curitiba, derrotar que representou o começo da derrocada final do Rubro-Negro em 2018, suficiente para deixar evidente que iria encerrar o ano sem conquista alguma.

Como este site já vem publicando há um mês, o que há no futebol do Flamengo de hoje é o conjunto de uma obra em ruínas: a indiferença da direção do clube, que não tomou providências quando ainda era possível salvar a pátria, e a acomodação da torcida, que também não fez qualquer movimento inteligente para reagir, como deixar o estádio vazio, ou alimentar protestos de verdade pelas redes sociais.

Curiosamente, o Corinthians até surpreendeu, ao iniciar em ritmo bem abaixo do que sugeriu o Itaquerão do dia anterior, com 40 mil pessoas em um simples treinamento. Mas como o Flamengo também não aproveitava certa apatia do adversário, como faz habitualmente, o time paulista tratou de abrir o placar logo aos 13 minutos, com Danilo Avelar, completando lançamento espetacular de Jádson. Mais interessante ainda é o fato da troca de gentilezas ter prosseguido, pois o Alvinegro cismou de acreditar que os próximos gols sairiam naturalmente, acabou relaxando, permitindo que a equipe do Rio chegasse ao empate, e como sempre acontece, de maneira exótica. Pará tentou se livrar da bola, e Henrique desviou, jogando à esquerda, fora do alcance de Cássio.

Daí em diante, e até o fim do primeiro tempo, o que pode observar foi um duelo de incompetentes, dado que nenhum dos times conseguia criar de interessante. Um punhado de passes para os lados, e pior, vez por outra errados. Na realidade, a própria torcida do Corinthians, maioria esmagadora, é claro, parecia um tanto desanimada, diante da dificuldade que a sua equipe exibia, contra um rival não costuma incomodar ninguém, notadamente fora de casa. Como se não bastasse, ainda foi obrigada a tomar um susto, ao ver Henrique Dourado marcar um gol, aos 33, enfim bem anulado por posição irregular.

Na prática, complicado no confronto, era apontar o que havia de pior. Assim, o que se poderia imaginar, para a etapa derradeira, era uma postura mais agressiva do Corinthians, tipo “vamos atacar de qualquer jeito, porque eles vão acabar entregando”, e sendo assim, um recuo maior do Rubro-Negro, pois “levar para os pênaltis aqui dentro já vai ser um grande negócio”.

Mas continuou quase tudo igual. O Alvinegro, sem nenhuma mudança, de jogador ou postura, deixava que o Flamengo impedisse a sua saída de bola, sem saber, no entanto, aproveitar as dificuldades do adversário. Aos 18 minutos, Maurício Barbiéri trocou Diego, sentindo contusão, por Vitinho, sem definir as funções de quem ficou em campo. Aos 23, Jair Ventura tomou afinal uma providência para acabar com o marasmo, lançando Pedrinho no lugar de Clayson. Na primeira intervenção, Pedrinho penteou a bola e bateu à esquerda de Diego Alves, que pulou atrasado: 2 a 1.

Percebendo que a vaquinha caminhava para o brejo – o que na realidade, como dito, vem acontecendo faz dois meses – Barbiéri tirou William Arão e pôs Lincoln. Logo em seguida, Henrique Dourado, um fenômeno do futebol – deu sua vaga a Marlos Moreno. Trágico. Restando cinco minutos, o Corinthians reforçou a retaguarda com Araos, para aguardar o encerramento. O Alvinegro está na decisão da Copa do Brasil e o Flamengo caminha para mais um melancólico fim de temporada.

FLAMENGO 1 x 2 CORINTHIANS / SP

Data: Quarta-feira, 26 de setembro de 2018.

Competição: Copa do Brasil / Semifinais / Volta.

Local: Arena Corinthians / Itaquerão, em São Paulo / SP.

Público: 44.249 pagantes / 44.606 presentes / 357 gratuidades.

Arbitragem: Ricardo Marques Ribeiro / MG, Bruno Boschilia / PR e Bruno Raphael Pires / GO.

Gols: Danilo Avelar 13’, Henrique (contra) 18’ e Pedrinho 68’.

FLAMENGO: Diego Alves, Pará, Réver, Léo Duarte e Trauco; Cuellar, William Arão (Lincoln 73’), Diego (Vitinho 63’) e Lucas Paquetá; Éverton Ribeiro e Henrique Dourado (Marlos Moreno 79’). Técnico: Maurício Barbiéri.

CORINTHIANS: Cássio, Fágner (Gabriel 22’), Léo Santos, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Douglas, Jádson e Matheus Vital (Araos 82’); Romero e Clayson (Pedrinho 67’). Técnico: Jair Ventura.